domingo, 13 de setembro de 2015

BANHA DA COBRA


CONTO VIGARIADO

Como diziam os antigos:
Mentem com todos os dentes,
Para vender fazem-se amigos
De reformados e doentes.

Nunca a mentira foi tão
Vendida por habilidosos,
Por donos de televisão,
Aos mais pobres e idosos.

Calcitrins e mangustões
E "ranho" de caracol,
Banha da cobra de televisão;
Prometem vida melhor.

De resultados milagrosos,
Publicidade de iludir,
De apresentadores mentirosos.
Bem pagos para mentir.


José Faria

PARA BEM DE PORTUGAL


PARA BEM DE PORTUGAL

Vá votar onde quiser,
Atos cívicos são mantidos,
Pois votar é um dever,
Cuidado com os grandes Partidos.

São grandes mas sem valores,
Mais humanos e exigidos;
Servem mais para promover,
Políticos corrompidos.

São de interesses pessoais,
E vaidades de poder.
Que ao povo faz tão mal.

Partidos há muitos mais,
Que devemos defender;
Para bem de Portugal.

08/09/2015

José Faria
 
 
 
 

CHUVA MANSA


 
 
MANSA CHUVA

Já chegou a chuva de mansinho
A refrescar os prados e os montes
E a assentar a poeira do caminho,
Encher de água fresca as suas fontes.

Já desperta o desejo pelo gosto,
De pedalar por aí encharcadinho;
Sentir a água fresca sobre o rosto,
De os charcos cortar e abrir caminho.

Rolar na lama de quelhas e vielas,
Sentir a graça e alegria de viver,
Com a borra da terra nas canelas,
E a força desportiva por prazer.

Já chegou e cai suavemente;
Rejuvenesce os montes e os prados,
Toda a terra e seus habitantes.

Divina dádiva chega a toda a gente,
E aos frutos da terra renovados,
São Natureza, milagres constantes.

 José Faria