EM SÃO MIGUEL O ANJO

sexta-feira, 22 de maio de 2020

A LENDA DE ÁGUAS SANTAS - MAIA

A LENDA DE ÁGUAS SANTAS
E A ORIGEM DO SEU NOME
"Conta a lenda que a madre superiora de um convento, ao saber da aproximação dos romanos, escondeu a imagem da Virgem Maria junto de uma fonte, ao desembrulhá-lo e ver a imagem de Nossa Senhora chorando.
O povo, ao saber da notícia, chamou-lhe Fonte de Águas Santas. Mais tarde foi construída perto da fonte, a Igreja do Mosteiro de Águas Santas. Esta seria, então, a história do nome da freguesia."✍️🤔






domingo, 17 de maio de 2020

NÃO HÁ CAMINHO LEGAL

 Na Tertúlia de 16 de Maio por videoconferência, organizado pela Galeria Vieira Portuense que reuniu muitas poetisas e poetas que frequentam assiduamente esse espaço cultural, dei voz ao poema “Não há caminho legal”, do poeta José Fanha.
NÃO HÁ CAMINHO LEGAL
Não há caminho legal,
eleições
ou parlamento,
para mudar a sociedade,
para trazer a liberdade,
para mudar
o rumo ao vento,
não há caminho legal,
eleições
ou parlamento.
Não vai com boas maneiras,
com licença,
faz favor,
nem com palavras ligeiras.
Não vai com boas maneiras,
nem vai com cravos na mão,
que o explorador não ajuda
a acabar com a exploração.
Para mudar
o rumo ao vento,
para acabar com o desemprego,
com a fome
e o sofrimento,
para acabar com o capital,
não há caminho legal,
eleições,
ou parlamento.
José Fanha

VIDEOCONFERÊNCIA GALERIA

Poesia por videoconferência da Galeria Vieira Portuense, para além do obrigado e bem haja a todas as profissões que têm estado na linha da frente desta pandemia. As mensagens poéticas de gratidão chegaram também aos demais guerreiros, com destaque para aqueles que no amanho das terras, delas retiram o sustento pela sobrevivência de todas as classes, de toda a humanidade

AOS LAVRADORES
Ainda o dia não nasceu, já eu no campo,
Nesta terra que eu removo com a enxada,
Bebo da água do rio e o seu canto,
Do avesso viro a terra já cansada.
Faço a terra brotar vida e alimento,
Rego-a com suor, dor e sofrimento!
Como a seara a crescer, dançando ao vento,
Darei à terra meu corpo ao fim do tempo.
O trator já me tira algum trabalho,
Não me tira o dia inteiro sem horário!
Sou da terra e a terra é vossa, quanto valho?
Valho o vosso alimento e o meu fadário.
Tenho o rouxinol aqui o dia inteiro,
Meu amigo que me alegra o pensamento!
É nas horas amargas meu companheiro,
Com seu canto, meu cansaço vai no vento.
Faço a terra brotar vida e alimento,
Rego-a com suor, dor e sofrimento!
Como a seara a crescer, dançando ao vento.
Darei à terra meu corpo ao fim do tempo.
José Faria✍️📚🧙‍♂️

quinta-feira, 14 de maio de 2020

O PINHEIRO E O PINHÃO




O PINHEIRO

Que o pinheiro não tenha ilusão,
Que a descendência fique a seu lado;
Já na terra se enterra o pinhão,
Um novo destino, atualizado.

Pensará diferente com outra razão,
Novo crescimento e outro cuidado; 
Com um mais saber e mais formação,
De onde nasceu, já mais afastado.

Há-de ser pinheiro como sua origem,
Há-de ser enorme, possante também,
E libertar das pinhas seus pinhões;

Que voarão como ele sem vertigem,
Quando tão minúsculo, zé-ninguém,
Nos primeiros passos de ilusões.
José Faria

quarta-feira, 13 de maio de 2020

SANTUÁRIO DESERTO




ESTÁ LIMPO O CÉU DE FÁTIMA

Mais um milagre o vírus teimoso,
Nos trouxe a verdade e despoluição;
Ao santuário tão religioso,
Onde se queima toda a emoção.

Mais do que a fé tão solidária,
Dona dos céus, da felicidade;
As penas da pomba feliz solitária,
São independência e liberdade.
Nela há mais vida e corpo presente,
Do que na arte de pedra envolvente.
Todo o milagre que a vida comporta,
Nunca se viu em natureza morta.
13/05/2020
José Faria

sexta-feira, 8 de maio de 2020

PRIMAVERA SE TRASLADANDO

ESTÁ-SE A PRIMAVERA TRASLADANDO 


Está-se a Primavera trasladando
Em vossa vista deleitosa e honesta;
Nas lindas faces, olhos, boca e testa,
Boninas, lírios, rosas debuxando.

De sorte, vosso gesto matizando,
Natura quanto pode manifesta
Que o monte, o campo, o rio e a floresta
Se estão de vós, senhora, namorando.

Se agora não quereis que quem vos ama,
Possa colher o fruto dessas flores,
Perderão toda a graça vossos olhos.

Porque pouco aproveita, linda dama,
Que semeasse amor em vós amores,
Se vossa condição produz abrolhos.

Luiz Vaz de Camões

sexta-feira, 1 de maio de 2020

MAIO 2020


Bom dia Maio florido,
Tira-nos esta ansiedade;
Ajuda-nos, não sejas tímido
Livra-nos da calamidade.

Este tempo anda ferido,
Com o vírus da maldade;
Que tanto tem destruído,
A vida da humanidade.

Que nos tragas na esperança,
Mais progresso e alegria,
Na vida, a normalidade;

Dá-nos essa segurança,
Todo o mundo em ti confia,
Traz-nos a felicidade;

José Faria

E porque a “ignorância e o vento são do maior atrevimento”, e porque todo o cuidado é pouco e por isso, “Em Maio nem da porta de casa saio, deixo-vos os provérbios deste mês Maio:

- Maio que não der trovoada, não dá coisa estimada.
- Quando Maio chegar, quem não arou tem de arar.
- Quem em Maio não merenda, aos finados se encomenda.
- Maio couveiro não é vinhateiro.
- A quem em Maio come sardinha, em Agosto lhe pica a espinha.
- Em Maio onde quer eu caio.
- As favas da terra, Maio as dá, Maio as leva.
- Boa cepa, Maio a deita.
- Chovam trinta Maios e não chova em Junho.
- Em Maio queima-se a cereja ao borralho.
- Em Maio, já a velha aquece o palácio.
- Em princípio de Maio, corre o Lobo e o Veado.
- Fiandeira não ficaste, pois em Maio não fiaste.
- Guarda o melhor saio para Maio.
- Maio frio e Junho quente: bom pão, vinho valente.
- Maio hortelão, muita palha e pouco grão.
- Maio pardo e ventoso faz o ano formoso.
- Quem em Abril não varre a eira e em Maio não rega a leira, anda todo o ano em canseira.