terça-feira, 3 de janeiro de 2012

O VENTO QUE PASSA



















Oh!
Deixem-me ser o vento!
A brisa suave,
Morna e sublime.

Deixem-me ser a brisa
que em tudo possa estar;
Suavizar, amigar, acalentar…
Acalmar e amar,
Continuando a ser vento;
A ser a brisa que passa!

Deixem-me estar presente,
Onde o meu querer, ir, e sentir,
Me tente.

E continuar a ser…
O vento que passa.

Beber do amor,
Do anseio,
Da vida feliz e da desgraça,
E continuar a ser brisa…
O vento que passa.

José Faria

Sem comentários:

Enviar um comentário